Design acessível: 5 dicas para usar em seus projetos

Um design acessível pode fazer toda a diferença na vida dos usuários, principalmente no caso de pessoas com deficiência.

Implementar a acessibilidade em um projeto não é tão complexo ou caro quanto se imagina. Na verdade, algumas medidas simples de design já podem ser um grande avanço rumo a inclusividade.

Já falamos sobre os princípios do design inclusivo por aqui. Com eles, somos instruídos a buscar inclusividade durante todo o processo de criação de uma plataforma.

E no post de hoje vamos focar na implementação de ferramentas acessíveis em interfaces. Dá só uma olhada nas nossas dicas!

5 dicas para um design acessível

1. Atenção no contraste

O contraste é muito importante para o design acessível, pois facilita muito a vida de pessoas com baixa visão e daltonismo.

De acordo com os princípios da acessibilidade da Web Content Accessibility Guidelines, o contraste entre o texto e o plano de fundo deve ter uma taxa de no mínimo 4.5 para 1.

E isso deve ser considerado não apenas para o tradicional preto no branco, mas também em fundos mais escuros e nos modos noturnos das plataformas.

2. Além das cores

As cores cumprem um papel muito importante em qualquer design. Porém, não podemos confiar nelas para tudo.

Ao darmos instruções usando cores, podemos limitar essas informações, fazendo com que pessoas de baixa visão ou daltônicos não consigam compreender o que está acontecendo na plataforma.

Um exemplo simples é o uso de cores para assinalar algum erro na página, como o contorno das áreas preenchidas incorretamente em um formulário. Para a maioria de nós, é algo fácil de perceber, mas para pessoas parcial ou completamente daltônicas pode não ser tão simples.

Para remediar essa situação, a sugestão é sempre utilizar junto das cores algum símbolo ou até mesmo frases que possam alertar os usuários.

3. Tamanho das fontes

A hierarquia das fontes faz toda a diferença em uma interface. A partir dela, o designer consegue orientar a leitura do usuário, definir prioridades, entre outras funções.

É comum que letras grandes sejam utilizadas para títulos, por exemplo. Porém, alguns cuidados devem ser tomados, levando em consideração a acessibilidade.

Para pessoas com problemas de visão e idosos, letras pequenas podem ser mais difíceis de ler. Por isso, a possibilidade de aumentar ou diminuir o tamanho da fonte pode fazer toda a diferença para essas pessoas.

4. Alt tags e labels

Incluir tags e textos alternativos, assim como labels (rótulos) nos botões, é algo muito simples e que impacta positivamente as vidas de pessoas com baixa ou nenhuma visão.

Essas configurações permitem que os leitores de tela ditem e descrevam aos usuários com deficiência tudo o que está em tela.

5. Linguagem clara e visívels

Assim como os labels nos botões, as demais instruções em uma interface precisam estar escritas de forma clara e visível.

Essa dica facilita a interação de todos os usuários com uma plataforma, mas é ainda mais importante para pessoas com dificuldades cognitivas. Boas práticas de UX Writing podem auxiliar muito nesse momento.

Como vimos, há formas simples de tornar um design acessível para todos os usuários, inclusive aqueles com alguma deficiência. E para mais dicas e tendências de design, fique de olho na nossa seção especial sobre a área!

Inovação na sua caixa de entrada

Receba conteúdo relevante. Grátis e sem spam.