Humanização de marcas: você está fazendo do jeito certo?

Desde que o mundo é mundo, a competição entre espécies existe, com as marcas não é diferente. Utilizando dos mais variados artifícios, as empresas buscam cada vez mais a atenção dos clientes, apontando vantagens e diferenciais do seu produto.

Inúmeras estratégias de marketing são utilizadas, mas nem sempre são efetivas e suprem todas as necessidades de posicionamento das marcas. O mercado, e principalmente os clientes, já estão saturados do mesmo tipo de conteúdo e abordagem. Através dessa percepção e da mensuração dos resultados das ações, percebeu-se a necessidade de criar representações cada vez mais humanas.

Lidar com pessoas nunca foi uma tarefa fácil. Quando o assunto é individualidade, é ainda mais difícil. Imagine quantas pessoas existem no mundo, quantos hábitos e repertórios culturais diferentes. É praticamente impossível alcançar todas essas pessoas ao mesmo tempo e da mesma forma.

Criar padronizações e definir um público alvo é uma estratégia ultrapassada. É preciso fazer muito mais do que apenas separar pessoas por grupos de interesse. É necessário segmentar o público e definir a persona ideal para seu segmento, empresa e produto.

Criar uma persona é definir da forma mais detalhada possível o perfil do seu cliente, analisando a personalidade, os valores, a rotina, a trajetória de vida, seus gostos pessoais e até seus sonhos e metas.

As marcas perceberam que mais do que segmentar, é preciso representar de forma exclusiva as particularidades de cada cliente/usuário. Quer um exemplo de representatividade? Já ouviu falar do projeto #PraCegoVer? O projeto visa dar acessibilidade aos cegos nas redes sociais, como o Facebook, por exemplo. Através da audiodescrição, uma tradução de imagens em palavras, cegos, disléxicos e até pessoas com déficit de atenção se beneficiam. Muitas empresas e páginas aderiram esse e outros tipos de projetos para humanizarem suas marcas.

Quer ver mais alguns exemplos de como é importante humanizar a marca para fidelizar seus clientes?

A Nubank é uma startup brasileira do segmento de serviços financeiros e atua como operadora de cartões e banco digital no Brasil. A Nubank trata seus clientes de forma tão exclusiva que acumula vários cases de sucesso.

Um deles é o caso do cliente Igor, que teve seu cartão clonado. Na hora de reportar o ocorrido à empresa, pediu o desbloqueio do cartão e o desbloqueio do jogo Pokemon Go no Brasil.

A Nubank, conhecida pelo bom humor no atendimento enviou um novo cartão e um Pikachu para o Igor!

post

A Netflix, também é conhecida pelo bom humor e faz questão de mostrar isso no SAC e nos outros portais de comunicação. Os funcionários responsáveis pelo atendimento tratam os clientes como amigos e se relacionam com as marcas com informalidade, aproximando-se da realidade dos usuários do serviço.

Screen-Shot-2017-11-13-at-1.54.28-PM

O Spotify, serviço de streaming de música, têm uma função super personalizada. Toda segunda-feira é lançada a playlist Discover Weekly, nela são selecionadas músicas parecidas e relacionadas às que você escuta e gosta. Assim, você conhece músicas novas e não perde os lançamentos que interessam.

spotify-discover-weekly

A Prefeitura de Curitiba, carinhosamente chamada de Prefs pelos usuários do Facebook avisa, dá alertas e informa os cidadãos de maneira descontraída, criando um personagem e aproximando ainda mais o contato com os habitantes da cidade.

Prefs-de-Curitiba

Quando se trata de posicionamento de marca e relacionamento com clientes não existe receita pronta, é preciso analisar o mercado e adaptar as estratégias à realidade da sua empresa.

Além disso, é importante analisar com cuidado as reais necessidades do seu negócio e não adotar determinado posicionamento porque todos estão fazendo. Muitas vezes é melhor buscar o seu diferencial e atuar de acordo com a proposta da sua marca.

Sair da zona de conforto não é apostar todas as fichas em algo que você não conhece, é inovar e buscar novos desafios, mantendo os pés no chão.

A relação com o cliente não é criada da noite para o dia. É preciso construir laços de afetividade nos momentos propícios para isso, seja na utilização do serviço e na compra ou em situações cotidianas.

Mais do que tratar seu cliente bem, é preciso fidelizar. A humanização vem com essa proposta, aproximar o contato, gerar afetividade e criar memórias.

O que você tem feito para humanizar sua marca? Conte nos comentários!

Inovação na sua caixa de entrada

Receba conteúdo relevante. Grátis e sem spam.