Big e Small Data: definições e como utilizar em sua empresa

Os dados digitais já foram assunto por aqui quando discutimos sobre as cidades inteligentesE agora é hora de falar sobre Big e Small Data, e como eles podem ser utilizados em diferentes estratégias pela sua empresa.

Mas antes, que tal relembrarmos alguns conceitos?

O que são dados digitais?

Um dado digital representa a menor parte de uma informação. É também um rastro derivado de nossas ações. E quando um dado é processado em conjunto com outros, eles se transformam em informações.

Os nossos dados podem ser disponibilizados de forma voluntária ou não para diversas empresas e plataformas na internet.

De acordo com a associação civil Safer Netos dados voluntários são aqueles informados diretamente pelos usuários. Disponibilizamos nossos dados em diversos momentos, por exemplo: quando acessamos e-mails, comentamos em plataformas de vídeo e fotos, quando cadastramos nossas preferências em sites e navegadores, etc.

E ainda existem aquelas informações que produzimos quase sem querer:

“Os dados involuntários são um conjunto de dados e metadados pessoais que são gerados e armazenados pelos equipamentos e serviços que fazem a mediação com os ambientes digitais” – Safer Net.

São exemplos deste tipo de dados:

  • cookies;
  • histórico de navegação e busca;
  • dados de máquinas fotográficas;
  • registros de logins;
  • hashtags de imagens, entre muitos outros.

Independente deles serem voluntários ou involuntários, os dados que geramos online são muitos e possuem diferentes configurações. Para facilitar a compreensão e o gerenciamento das várias informações disponíveis, os cientistas da área começaram a classificá-los se baseando em seu volume, velocidade e variedade.

Qual a diferença entre Big e Small Data?

A classificação dos dados em Big ou Small Data vem desta necessidade de gerenciamento de informações.

É importante frisar que estes tipos de classificações são complementares. Tanto o Big Data quanto o Small Data têm o mesmo objetivo. Porém, cada um tem suas particularidades e, por isso, existem  momentos distintos para a utilização de cada um.

Através do Big Data, é possível coletar dados de espaços mais abrangentes, como nuvens, grandes bancos de informação, diferentes dispositivos da sua empresa, entre muitos outros. Ele lida com volumes amplos de conteúdo.

Já o Small Data diz respeito a coleta de universos mais limitados, como bancos de dados de pequenas empresas. Ele leva em consideração quantidades menores de informações, para lidar com situações pontuais.

Além disso, no Big Data os dados originam de várias fontes diferentes e podem ou não estar estruturados. Enquanto no Small Data, eles geralmente vêm de fontes mais determinadas e já estão prontos para análise.

Como os dados digitais já estão estruturados no Small Data, a interpretação tende a ser mais simples e qualitativa. Mas como o Big Data não conta com a estruturação dos dados e possui um volume maior, geralmente é necessário utilizar ferramentas eficientes de análise para chegar nos resultados desejados.

Como usar os dados digitais em sua empresa?

Big Data

Muitas empresas estão utilizando grandes quantidades de dados digitais para auxiliar nas estratégias de diferentes setores, do marketing ao desenvolvimento, e ainda prever tendências.

O Big Data, quando bem utilizado, pode proporcionar informações muito relevantes! E o Canaltech traz um ótimo exemplo: uma empresa do setor alimentício que cruzou dados sobre meteorologia com informações sobre o consumo de seus clientes ao longo dos anos.

Fazendo uso dos equipamentos e das ferramentas certas, a empresa conseguiu desenvolver um método de sugestão de venda que se baseia na previsão meteorológica da semana. Isto facilita a escolha de quais produtos serão vendidos e como administrar o estoque.

A análise dos dados nos ajudas a compreender melhor os comportamentos dos clientes, colaboradores e até mesmo questões mais técnicas. Porém, no caso do Big Data, é necessário o uso das ferramentas adequadas para organizar, visualizar e analisar os dados.

Small Data

A utilização do Big Data, como citamos acima, está muito em alta de alguns anos para cá. Mas isso não faz com que o Small Data, que já era utilizado com frequência anteriormente, possa ser descartado, certo?

Até porque as utilizações do Big e do Small Data são complementares. Logo, um não é melhor que o outro, apesar de cada um ter suas especificidades.

A simplicidade do Small Data é um de seus principais atrativos. As informações encontradas nele geralmente são de fácil compreensão para quem está analisando, e não são necessárias tantas ferramentas para sua compreensão.

Comentários nas redes sociais acerca de seu produto ou serviço e feedbacks de usuários são tipos de Small Data. Estes dados nem sempre são digitais. Um feedback, por exemplo, pode ser entregue pessoalmente.

Mas para uma boa análise e apresentação, além de acompanhamento de resultados, é importante registrar as informações de forma organizada, fazendo uso das tecnologias disponíveis.

Diversas empresas, até mesmo multinacionais e outras de grande porte, fazem uso combinado do Big e do Small Data. O protagonismo, porém, parece estar retornando ao Small Data, principalmente por conta dos debates acerca da privacidade dos usuários.

Quer saber mais sobre isso? Preparamos um post especial sobre privacidade e dados digitais! Nele você encontra mais informações sobre as novas regras da internet na União Européia, e como elas estão influenciando instituições no mundo todo — inclusive o Facebook. Não deixe de ler!

Inovação na sua caixa de entrada

Receba conteúdo relevante. Grátis e sem spam.